Internato médico: o que é preciso saber sobre o tema?

3 minutos para ler

Depois do concorrido vestibular, o curso de Medicina reserva anos de dedicação e responsabilidades significativas. O internato médico é uma etapa importante da graduação, em que os estudantes aprendem mais sobre a prática da área.

Ele também pode ser chamado de estágio supervisionado obrigatório. Apesar de ser essencial para a formação, nem todo candidato a esse curso conhece o internato e as suas particularidades.

Se esse é o seu caso, não se preocupe, pois, neste texto tiraremos as principais dúvidas a respeito do assunto. Continue a leitura e confira.

Como funciona o internato médico?

O internato médico acontece nos dois últimos anos da graduação e, como vimos, é obrigatório para a obtenção do título. O foco é totalmente prático, já que os estudantes prestam atendimentos aos pacientes. Para isso, contam com o acompanhamento de professores.

O internato pode acontecer em diferentes instituições médicas, internas ou externas à universidade, que sejam credenciadas. Apesar de ser uma atividade que exige muito do estudante e que demanda bastante tempo, ela faz parte da sua formação básica, portanto, não há remuneração.

Qual é a carga horária?

Essa atividade é regulamentada pelo Ministério da Educação (MEC) e compreende 35% da carga horária do curso de Medicina. O tempo semanal dedicado varia conforme a instituição, porém não pode ultrapassar 40 horas.

Além da participação regular, também é preciso fazer plantões nas áreas de urgência e emergência. Dessa forma, os estudantes passam por longos períodos de trabalho, para experimentarem a vivência de um expediente profissional. Os plantões têm duração máxima de 12 horas.

[eBook] Guia da Graduação em Medicina

Qual a diferença entre internato e residência na Medicina?

É muito comum que exista uma confusão entre internato e residência. A principal diferença é que o internato é obrigatório para a formação em Medicina e faz parte da graduação. O aluno passa por diferentes especialidades e aprende mais sobre a sua função.

Por outro lado, a residência acontece após a conclusão do curso, quando o profissional já tem o seu registro médico. Nesse caso, ele tem o objetivo de conferir uma especialidade, portanto, trata-se de uma atividade mais centrada na área de interesse. É possível também optar por não passar por essa etapa e ter a habilitação para atuar apenas como clínico geral.

O que vem depois do internato?

Como mencionamos, o internato é a última etapa do curso de Medicina. Após concluir esse período desafiador e de muita dedicação, o aluno está pronto para obter o seu título de bacharel.

É importante que o aprendizado seja bem aproveitado, afinal, envolve atividades essenciais para um médico como:

  • avaliação de sintomas;
  • exames clínicos;
  • condutas para cada situação;
  • hipóteses diagnósticas.

Dessa forma, é o último passo até fazer o registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) e se tornar oficialmente profissional da área.

Portanto, o internato médico é fundamental na formação e ajuda a desenvolver a experiência necessária para a atuação. Assim, é preciso contar com uma instituição de ensino de qualidade, para oferecer o melhor suporte no processo de aprendizagem. Por isso, na hora de escolher uma universidade, observe a estrutura que ela oferece para a sua carreira.

As informações deste texto ajudaram você? Então, assine a nossa newsletter e receba mais dicas e informações semelhantes em seu e-mail.

Posts relacionados

Deixe um comentário