Qual a diferença entre residência em Medicina e especialização?

4 minutos para ler

Quem tem o sonho de trabalhar como médico sabe da concorrência do vestibular e entende que a graduação dura 6 anos, mas fica na dúvida sobre os próximos passos depois da conquista do diploma. Afinal, como funciona a residência em Medicina e a especialização?

Para responder a essa questão, mostrar os requisitos para entrar na residência e explicar como é o processo seletivo, desenvolvemos este post. Continue a leitura, entenda as características dessas formações e como é a trajetória de quem deseja fazer carreira na Medicina!

Como a residência em Medicina e a especialização se diferenciam?

O primeiro ponto é entender que, depois de formado, o médico pode trabalhar como generalista (após fazer o registro no Conselho Regional de Medicina de seu estado). Só que essa não é a melhor opção para quem quer crescer na área: o ideal é se tornar especialista em algum segmento da Medicina, fazendo a residência ou uma especialização.

O importante é saber que estamos falando de formações distintas. Veja a seguir as características de cada uma.

Residência Médica

É um período de aprendizado prático voltado para uma das especialidades em Medicina, que dura de 2 a 5 anos e é realizado em hospitais. O residente é supervisionado por um médico com alta qualificação no segmento e recebe uma bolsa.

A residência é considerada um programa de pós-graduação e segue a regulamentação estabelecida no Decreto nº 80.281, de 1977. O médico enfrenta uma rotina de hospital, sendo que a carga horária pode chegar a 60 horas semanais. Ele lida diretamente com pacientes e vai aprender na prática sobre condutas, tratamentos e diagnósticos.

Após o término do programa, o residente consegue, automaticamente, o título de especialista na área que escolheu.

[eBook] Guia da Graduação em Medicina

Especialização em Medicina

Quem preferir pode terminar o curso de Medicina e fazer uma pós-graduação lato sensu de uma especialidade. Nesse caso, a duração varia de acordo com cada curso e há aulas teóricas e práticas, oferecidas por uma instituição de ensino.

Porém, diferentemente da residência, aqui o médico não conquista o título de especialista automaticamente. Depois de ter o certificado da especialização e cumprir alguns requisitos, precisa fazer o exame da Associação Médica Brasileira (AMB) e das Sociedades de Especialidades para tornar-se especialista e poder atuar legalmente no segmento.

Quais os requisitos para fazer a residência em Medicina?

Para fazer a residência médica, é preciso escolher um programa de formação, pagar as taxas, ter concluído a graduação em Medicina e estar inscrito no CRM. No entanto, muitos candidatos se inscrevem antes da formação, já que tanto o diploma quanto o registro no conselho são exigidos na data da posse como residente.

Como funciona o processo seletivo para ingressar na residência médica?

Para ingressar na residência médica, é preciso ler com atenção o edital e estudar bastante durante a graduação, pois são oferecidas poucas vagas.

O exame é complexo e, geralmente, conta com uma etapa teórica de múltipla escolha e uma etapa prática, em que o candidato realiza um estudo de caso ou a aplicação de técnicas. É feita ainda uma análise de currículo e, por último, a entrevista.

Agora você já sabe porque a residência em Medicina é um ótimo caminho para quem quer passar por um treinamento intensivo em uma área para obter o título de especialista. Escolha uma graduação de referência para ter a melhor formação e conseguir uma boa pontuação nas provas dos programas.

Quer saber mais sobre essa carreira? Descubra o que esperar da faculdade de Medicina!

Posts relacionados

Deixe um comentário