Aprenda melhor com essas 9 técnicas de memorização

7 minutos para ler

Assimilar bem os conteúdos é fundamental no processo de aprendizagem. Porém, tudo fica mais difícil para quem precisa conciliar rotinas distintas ou dar conta de vários assuntos ao mesmo tempo. A saída, nesses casos, pode estar no uso das famosas técnicas de memorização.

Você deve conhecer algumas, ou até já aproveitou determinado método sem perceber. A vantagem de adotar esse tipo de recurso está na chance de aumentar a produtividade durante os momentos de estudo. Assim, você consegue dar o seu melhor e comemorar excelentes resultados.

Mas afinal, qual técnica vale a pena? Para eliminar dúvidas, fizemos uma lista com 9 opções para você conferir e escolher de acordo com o seu perfil. Veja!

1. Palácio da memória

Esse método era usado com frequência por oradores gregos e romanos que precisavam gravar discursos na mente. Ele consiste em imaginar um espaço construído e decorado com vários detalhes requintados.

Depois, para cada elemento presente no local, você deve indicar uma palavra a ser memorizada. Confira um exemplo com os planetas do sistema solar:

  • lustre = sol;
  • velas do lustre = mercúrio;
  • lareira = vênus.

Nesse caso, você saberá que mercúrio é o planeta mais próximo do sol, embora o mais quente seja vênus (pois tem uma atmosfera densa que retém o calor, representado pelo símbolo da lareira). Legal, né? Dá para fazer muitas associações em um palácio imaginário e personalizar usando a sua criatividade.

2. Acrônimos

Esses recursos podem ajudar você a ter produtividade na hora de memorizar conjuntos ou grupos de coisas. O objetivo é reunir apenas as iniciais das palavras que precisam ser lembradas, a fim de compor um único termo.

Um bom exemplo de acrônimo é LIMPE, que traz as primeiras letras dos cinco princípios da administração pública: Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência. Esse modelo difere das siglas porque sua pronúncia ocorre na forma de leitura silábica, sem soletrar, como se fosse uma palavra normal.

3. Acrósticos

Bastante comuns nas escolas, os acrósticos também entram na lista de técnicas de memorização por serem fáceis de produzir. Trata-se de uma forma de escrita que utiliza a letra de um termo base para compor versos ou poemas relacionados ao mesmo assunto.

Esse modelo costuma ser disposto e lido na vertical, mas não há regra. O importante é conseguir pensar na frase e associar as letras iniciais de cada palavra a coisas que precisam ser memorizadas (países, espécies do reino animal, elementos da tabela periódica etc.).

Um exemplo simples: para gravar os nomes dos estados da região sul, você usaria o verso “Ponte Sem Rumo”. As iniciais representam Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, no sentido do norte ao sul. Para facilitar ainda mais, imagine que está sem rumo porque depois do RS não há mais território brasileiro.

4. Associações visuais

Já pensou em ir além das palavras e cálculos para gravar coisas na memória? As associações visuais funcionam em várias situações e podem ser inclusas em sua rotina de aprendizado. A proposta é relacionar conceitos, fórmulas e outros recursos a imagens específicas.

O ideal é que os símbolos façam sentido e tenham um elo com o termo a ser lembrado. Vale desde manter um caderno organizado, com figuras e desenhos, até cartões fixados na parede do seu local de estudo. Quanto mais expostas as imagens estiverem, mais chances você terá de observá-las diariamente, reforçando a associação e agilizando o processo de fixar informações.

5. Mnemônica

Engloba técnicas de memorização já citadas, como os acrósticos e acrônimos. Isso porque trabalha com símbolos, palavras, gráficos, frases, esquemas e demais recursos. Todas as informações usadas no método devem ter alguma relação com o conteúdo que você pretende memorizar.

[Guia Prático] 6 Passos para acertar na escolha da profissão

A técnica mnemônica busca associar ideias e fatos difíceis de reter a coisas mais menos complexas para facilitar a aprendizagem. As paródias são bons exemplos porque contam com o poder de músicas já conhecidas. Assim, ao acrescentar termos ou conceitos à melodia original, o estudante consegue guardar um registro completo de novas informações em sua cabeça.

6. Resumos à mão

Na era digital, poucos continuam fazendo anotações de próprio punho. Acontece que essa é uma excelente prática para favorecer a memorização de palavras e outros itens importantes. O motivo? Ao escrever com lápis ou caneta, tendemos a prestar mais atenção naquilo que será passado para o papel.

Essa tática ajuda a selecionar apenas o que importa para compor um texto compreensível e de qualidade. O cuidado com a caligrafia também faz com que nos dediquemos 100% ao processo. Portanto, faça cada vez mais o exercício de elaborar resumos e tópicos à mão.

7. Flashcards

Nem sempre é fácil lembrar de coisas que estão “armazenadas” na mente. Às vezes, é necessário passar as informações para algo concreto, como uma planilha ou caderno. Muita gente faz isso no dia a dia, seja para manter a organização financeira, seja para planejar atividades profissionais.

Você também pode tirar proveito das anotações para aprender melhor. Os flashcards são ótimas opções nessas horas, já que funcionam como lembretes que ficam visíveis em seu local de estudo. Esses pedaços de papel são pequenos e fáceis de guardar, ou seja, dá para levá-los a qualquer lugar.

A proposta é usar os cartões para escrever palavras-chave, citações famosas, fórmulas matemáticas e outros itens relevantes. Dá até para criar um esquema de perguntas e respostas para você resolver com frequência, aproveitando a frente e o verso dos papéis.

8. Mapas mentais

Também estão entre as técnicas de memorização que se baseiam em ícones, desenhos e esquemas. Se você gosta de criar materiais exclusivos, não vai querer deixar essa opção de lado nunca mais. Procure caprichar na variação de cores com lápis e canetas para deixar os mapas bem detalhados.

Um exemplo famoso é a pirâmide alimentar, com suas camadas distintas representadas por produtos e grupos de nutrientes. Os modelos devem conter ramificações, indicações de setas e destaques com vários símbolos para favorecer a compreensão.

A vantagem é que que dá para usar os mapas mentais em diferentes situações e matérias: para conectar acontecimentos da história, associar processos da biologia e até para mostrar a relação entre algumas regras do português.

9. Gravações

Assim como a escrita à mão, a produção de áudios favorece a memorização. Já pensou em criar seus próprios podcasts para ouvir durante a rotina de estudos? Basta pegar o celular e começar a gravar explicações importantes sobre diferentes disciplinas.

O ideal é que as mensagens sejam ditas de cabeça, sem muitos ensaios ou leitura de textos prontos. Dessa forma, você vai melhorando a capacidade de síntese e de comunicação para tornar a apresentação mais redonda e livre de emendas.

Perceba que são muitas alternativas de exercícios para estimular o seu cérebro e favorecer a absorção dos conteúdos, de forma simples e divertida. Vale deixar claro que boa memória não é um dom para poucos, mas uma habilidade possível de ser desenvolvida quando há esforço e dedicação.

Todas essas técnicas de memorização são úteis para quem pretende prestar vestibular, fazer faculdade e até estudar para concursos. Lembre-se de que o tempo de prática ajuda a aprimorar os métodos; então, comece a testar quanto antes para escolher seus favoritos e avançar nos resultados.

Quer mais dicas que possam contribuir com seus estudos? Então, confira o nosso post com 12 sites que vão ajudar você a memorizar matérias!

[eBook] Guia Definitivo da Orientação Vocacional
Posts relacionados

Deixe um comentário